Cura

Curando o Vínculo Materno

Orações de Limpeza e Cura: E-book em formato PDF contém orações poderosas para limpeza, proteção, louvar ao Senhor, purificar o coração e ter sabedoria. Clique Aqui e Confira!

Curar o vínculo com a mãe é o primeiro passo que tem que tomar no processo de cura interior e é a base para relacionamentos saudáveis e amorosos.

A maneira como interagimos com a mãe também marca a capacidade de se desenvolver como pessoas de sucesso.

Na infância, experiências foram vividas, o que nos levou a perder a profunda conexão com a mãe. A mãe é, em primeiro lugar, humana, ela tem suas próprias preocupações e problemas, seu próprio Karma e dificuldades e, por causa de tudo isso, ela nem sempre foi capaz de estar presente e em conexão com seu potencial de amor incondicional com o filho ou filha.

Quando nascemos, estamos num estado de absoluta vulnerabilidade, somos seres que precisam de amor, calor e limites saudáveis ​​para poder desenvolver-se como pessoas felizes.

Essa ausência inconsciente de conexão com essa fonte de amor pela mãe pode ser recebida pelo recém-nascido ou nascemos abandonados, em perigo e com rejeição, deficiências que, se não olharmos para elas e as manejarmos, tornar-se-ão buracos negros enérgicos e emocionais ao longo de nossas vidas.

Assim, em profundidade, o vínculo de energia com a mãe está se deteriorando e construímos um relacionamento a partir do ego, onde o amor autêntico não pode se manifestar ou fluir.

Nós geramos emoções densas como a rejeição, fugimos da vida, dos relacionamentos, ingerimos muita comida, consumimos e atacamos de mil maneiras diferentes, não podemos nos satisfazer, porque no mais profundo nós cortamos o fluxo natural do amor com nossa mãe.

Recuperar a conexão com a mãe nos ajudará a nos reconectar com o fluxo da vida em todas as suas dimensões.

Para curar este elo, o Método Holístico da Autoconsciência propõe caminhos através da rendição, apaga os sistemas de crença e cede ao equilíbrio de dar e receber.

É um caminho interior de Devoção. Emoções são energia, quando a emoção se manifesta em uma vibração concreta, nosso sistema nervoso tem a capacidade de administrar essa carga e devolvê-la ao fluxo natural de nossa energia vital.

Em nossa cultura há muitos preconceitos e julgamentos em relação a algumas emoções, como raiva, tristeza ou culpa.

Elas são consideradas negativas e não é “bem visto” expressá-las no falso conceito de felicidade que temos.

Emoções chamadas negativas são reprimida, então essa tensão projetada no campo emocional impede o sistema nervoso de administrar essas emoções e a carga energética de raiva, tristeza, medo, etc., fica estagnada em nosso corpo físico, mental ou emocional.

Na verdade, as emoções não são nem positivas nem negativas. Rendição, portanto, é uma oração interior, uma intenção da alma de devolver esse pesado fardo emocional que foi reprimido em nosso sistema mental ou emocional.

Como o fluxo luminoso de nossa energia divina, parte dessa energia é chamada de Deus, outros chamam de Mãe ou a Energia Universal, não importa o nome que lhe damos, o importante é retornar essas cargas de baixa frequência à energia infinita.

Ao longo do caminho da paternidade, a mãe pode não ter estado presente como o menino ou a menina teriam precisado, seus próprios problemas pessoais, com seu parceiro, preocupações econômicas, suas próprias emoções reprimidas ou herdadas, os modelos maternais que ela recebeu de sua própria mãe ou do sistema cultural e religioso onde ela foi educada e que nem sempre foram modelos saudáveis, ​​foram capazes de fazê-la também ficar desconectada do fluxo de energia incondicional de amor.

A criança não pode entender a humanidade do peito, o menino ou a menina só experimenta essas deficiências e pode começar a sentir sentimentos contraditórios, por um lado ele ama sua mãe acima de tudo, por outro ele sente frustração e raiva e, em nossa cultura, sentir raiva dos pais é desaprovado.

O menino ou menina começará a sentir culpa e vergonha por seus próprios sentimentos e se tornará um adulto inseguro.

Em nossa maneira de curar, não podemos continuar responsabilizando a mãe por todas as nossas deficiências e problemas, pois como adultos temos a possibilidade de nos curar, deixar de esperar o que a mãe não pode nos dar, aceitar cada um de nossos sentimentos contraditórios em relação a ela, incluindo a profunda dor da desconexão com o seu amor.

Não é um caminho fácil, percorrer o caminho desses sentimentos contraditórios submersos em uma cultura onde há tantas crenças sobre o que significa ser um bom filho ou filha requer toda nossa coragem.

Viajar por esse caminho nos fará questionar se realmente Estamos nos relacionando com a mãe a partir da honestidade do nosso coração ou de uma auto-obrigação imposta pela cultura ou mandatos do sistema familiar.

Este caminho de auto-aceitação e entrega guiado sempre com a consciência do nosso coração nos levará a entender um relacionamento com a mãe mais autêntico, integrando emoções contraditórias e aceitando a mãe como ela é, podemos aceitar a vida que nos deu, recuperar a segurança interna e relacionar de uma forma mais saudável com o mundo.

Aceitando nossas emoções podemos também liberar a culpa e, finalmente, nos permitir o sucesso. Este é o nosso desafio como filhos ou filhas adultos.

De acordo com as tradições orientais, somos seres luminosos, nossa natureza é dar, assim como o sol constantemente dá sua luz.

Quando a relação com a mãe é prejudicada por emoções e sistemas de crenças pesadas, nossa luminosidade também é bloqueada, nossa doação também é pesada, nós nos orgulhamos, porque nos sentimos melhor do que os outros; ou sentimos culpa, porque nos sentimos responsáveis pelas faltas dos outros; ou sentimos vergonha, porque nos sentimos inadequados e acreditamos que, se não damos amor, não somos dignos de sermos amados.

É um dar egoico e não do coração. Quando damos do ego, enfraquecemos e perdemos parte da nossa energia vital, já que o ego sempre vai esperar algo e, quando não recebe o que espera, entra em uma emoção de raiva que, às vezes, pode se transformar em violência.

Nós equilibramos o dar e tirar da vida, sentindo-nos satisfeitos. Mas para realizar esse processo, precisamos dar um salto quântico dentro de nós mesmos, precisamos exercitar a compaixão consciente, isto é, como adultos, podemos olhar para os pais, neste caso, para a mãe, além de seu papel e vê-la como um Ser humano, com suas carências, necessidades, dificuldades e sombras.

Esse olhar para a mãe como ela é nos permitirá liberar a demanda de nossa criança interior para receber o amor que, talvez, não pudesse nos dar na infância, parar de esperar e curar A profunda tristeza.

Este salto pode ser assustador, porque podemos nos sentir solitários dentro de nós por um tempo. É um processo de individuação e crescimento.

De repente, somos totalmente e absolutamente responsáveis ​​por nós mesmos. Nesta viagem, só podemos confiar em nossa confiança interior, em nossos recursos, capacidades e potencialidades.

Depois de termos atravessado o caminho da tristeza, da solidão e do medo, descobriremos que somos seres infinitos, com capacidades infinitas e que nossa auto-estima não dependerá mais do reconhecimento externo.

A chave, portanto, em relação à cura do vínculo com a mãe, é assumir nossa responsabilidade como adultos na cura desse vínculo, deixar de esperar pela mãe, ou por qualquer outra pessoa, para satisfazer as deficiências que tivemos quando crianças.

Enfrentar esses defeitos em nossos corações e recuperar o poder que todos temos em curar, amar e respeitar a nós mesmos, trazendo essa cura para o mundo e para nossos relacionamentos atuais.

Honrar a mãe desta maneira facilitará a honra de nossas vidas, em um sentido profundo, daremos modelos mais saudáveis ​​para nossos filhos e filhas, que aprenderão a se respeitar mais e se tornarão pessoas mais seguras e bem-sucedidas.

Autora do Texto: Rosa Navarro, criadora do Método Holístico da Autoconsciência

Fonte: http://www.metodoholistico.com/sanando-el-vinculo-materno.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *